terça-feira, 9 de novembro de 2010

Raul, o sacristão


Por Filomena Serol
[Técnica de turismo - Armação de Pêra]

As gentes de Alvor e arredores conhecem provavelmente muitas histórias do Raul, uma figura típica da terra nos anos 30/40 do século passado. Eu própria, não sendo de Alvor, ouvi muitas vezes o meu avô contar histórias deste pescador que, além disso, também era sacristão.

Raul era um daqueles homens inofensivos e simplórios que, pela sua inocência, despertava muitas vezes as traquinices dos jovens, sempre prontos a pregar-lhe partidas e a desafiá-lo para que perdesse as estribeiras.

Numa ocasião em que na terra se celebrava a festa de Nosso Senhor dos Passos, Raul, o sacristão, ia na frente da procissão segurando a cruz de Cristo. A rapaziada ia desafiando o Raul com palavras e pequenos toques. Tanto o picaram que, quase ao recolher da procissão, o Raul perdeu a paciência e desatou numa corrida atrás deles. Na fúria da perseguição, nem deu pelo crucifixo ter caído do seu suporte e acabou por regressar à igreja já sem o Cristo no topo.

O pároco, ao aperceber-se da situação, questiona o Raul, que de imediato exclama:

“Ah mãe… Sô Prior! Atão na querem ver qu’o amaldçoade foi correndo atrás dos môces!”


Igreja Matriz de Alvor

Sem comentários:

Enviar um comentário