segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Armação de Pêra

Por Torquato da Luz
[Poeta e jornalista - Lisboa]


Tirem-me tudo: os dedos, os anéis,
a reserva de sonho e de quimera,
mas não sejam cruéis,
não me tirem Armação de Pêra.

Não me tirem o resto da infância
que sei ter deixado aqui
nem esta luz que à distância
me segue desde que parti.

Não me tirem o verde-azul do mar
nem os barquinhos balançando à espera
dos turistas que hão-de ir visitar
as furnas de Armação de Pêra.

Mas sobretudo não me tirem este sol
e a caldeirada do Serol.

1 comentário:

  1. Por essa praia, dei os meus primeiros passos, amparado pelas carinhosas mãos dos meus pais e avós. Aí eu aprendi a nadar, a divertir, a desfrutar do calor do sol e, acima de tudo, a apreciar a boa temperatura das águas de Armação, entre as mais amenas do Algarve. E essa imagem das zonas rochosas, sobretudo ao anoitecer, é uma das mais belas e mais relaxantes que eu tenho o prazer de admirar...

    ResponderEliminar