quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Faro de Leste a Oeste

Por Luis Nadkarni
[Monitor de Desporto - Faro]

Na minha perspectiva as aventuras não são grandes nem pequenas, são aventuras.
Este episódio que se passou comigo no ano de 1964 foi, para mim, uma verdadeira aventura.A minha família tinha-se mudado recentemente para a Avenida 5 de Outubro, deixando a casa onde habitávamos anteriormente, que era propriedade dos meus avós e onde estes continuaram a residir. Essa casa ainda hoje existe em Faro, fazendo gaveto entre a Rua Brito Cabreira e a Rua do Alportel.
Nessa altura os meus pais ofereceram-me um pequeno triciclo que me proporcionou momentos de grande satisfação e possibilitou a descoberta de novas emoções. Certo dia, resolvi ir visitar a minha avó que vivia no outro lado da cidade e, acompanhado pelo meu amigo José Guerreiro da Palma – o Zeca, iniciei esta pequena grande odisseia utilizando como meio de transporte, é claro, o meu triciclo de estimação.

Desci a Avenida 5 de Outubro e junto ao Palácio do Lã virei à direita, entrando na Rua Dr. Cândido Guerreiro. Recordo-me de ter passado por uma oficina de cromagem, ultrapassando posteriormente o perigoso cruzamento da Estrada de Olhão e lá fui pedalando no meu triciclo. Quando me sentia cansado tinha a colaboração do Zeca, miúdo da minha idade, que me acompanhava a pé e que de vez em vez me empurrava. Assim passei o Mercado Municipal, a Serração e, junto à Sapataria Limpinho, virei à esquerda, tendo, um pouco mais à frente, entrado na Rua Brito Cabreira. Até à casa dos meus avós ainda tive de pedalar bastante. Quando lá cheguei foi grande o espanto da minha avó que provavelmente se perguntava sobre como tinham aparecido ali aqueles dois "pára-quedistas".
Recordo esta aventura com satisfação, convicto de que a mesma foi muito possivelmente o que despertou em mim a curiosidade e vontade de experimentar novas situações, o que felizmente tenho vindo a concretizar ao longo da minha vida.

Palácio do Lã - Faro (anos 60)

1 comentário:

  1. Se fosse hoje, quando lá chegasses, tinhas a PSP e a PJ com fitas e luzes, à porta da tua avó! Belos tempos de exploração e descoberta autónoma - como se faz o conhecimento!

    ResponderEliminar