terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A carroça, os jovens típicos e os turistas

Por Elisabete Rodrigues
[Jornalista, membro do Núcleo do Algarve da Liga Para a Proteção da Natureza]

Há uns 30 anos, já eu estava casada, mas não tínhamos dinheiro para comprar carro, porque ainda estávamos a estudar. Por isso, de vez em quando, o meu marido pedia a carroça emprestada ao avô, atrelava o macho cinzento que se chamava «14» e lá íamos nós acampar, ou à praia ou simplesmente dar uma volta.

Para mim, que sempre tinha andado de automóvel, andar numa carroça era uma experiência divertida, diferente. Mas há 30 anos ainda havia muitas carroças a circular nas estradas algarvias e por isso não era assim nada de muito especial…pensava eu…

Um dia, vínhamos a chegar a Lagoa, montados na carroça, com o «14» no seu passo pachorrento de sempre, quando de repente um carro pára à nossa frente, sai um casal de ingleses, cada um munido da sua máquina fotográfica, e desatam a fotografar-nos, entre gritos de admiração. «So typical!», gritava o homem. «So lovely, a young couple still in touch with tradition!», exclamava a mulher.

Não quisemos estragar a festa aos turistas e lá fizemos uns sorrisos amarelados. Nem valia a pena dizer-lhes que não éramos assim tão, tão tradicionais, nem sequer que um já era formado em engenharia agrícola e o outro estava na faculdade a estudar jornalismo. Isso iria estragar a imagem idílica, de um mundo rural perdido, que o casal de turistas ingleses queria levar para a sua terra.

A estas horas, deve haver algures em Inglaterra, no álbum de férias de alguém, umas fotos de um casal de jovens portugueses muito típicos e muito rústicos. Por acaso tenho pena de não ter uma dessas fotos, porque nunca mais andei de carroça…


Sem comentários:

Enviar um comentário