sexta-feira, 29 de abril de 2011

Algarve, terra de praia, de sol e de muito mais... vinhos!

A Confraria do Bacchus de Albufeira promove a partir de amanhã, 30 de Abril e até segunda-feira 2 de Maio, a III Grande Mostra de Vinhos de Portugal. A mostra decorre no Espaço Multiusos de Albufeira e o confrade Bernardo Nascimento, que nos brinda hoje com um texto sobre os vinhos do Algarve, deixa-nos também o convite para uma visita ao evento. Não perca esta oportunidade de conhecer e provar os vinhos algarvios.


Quando há umas semanas atrás o meu caro amigo e confrade Valério da Confraria do Bacchus de Albufeira me contactou no sentido de averiguar se eu poderia escrever um artigo sobre os vinhos do Algarve, confesso que, mesmo sendo enófilo há mais de 10 anos e leitor compulsivo sobre o assunto, não fazia ideia de algumas das curiosidades extraordinárias que acabei por encontrar.

Vinhos do Algarve e... sua origem:
Tudo começou no remoto século III a.c. através dos tartessos (nome que os gregos deram ao povo que habitava o Ocidente). Fenícios, celtas, gregos e romanos terão (felizmente) continuado a produzir vinho. Mais tarde, apesar da ocupação moura (os muçulmanos, pela sua cultura não são consumidores de álcool), o vinho não desaparece. Por ser um elemento importante nos rituais cristãos o vinho é mantido e diria mesmo aprimorado ao longo de séculos, tornando-se uma referência importante no panorama dos vinhos nacionais e internacionais.

Vinhos do Algarve e... Vinhos de Bordéus:
António Augusto de Aguiar, professor de química, político e cientista que deu grandes contributos para o desenvolvimento e promoção dos vinhos portugueses fez, numa conferência em Berlim (1873), durante a exposição mundial, a seguinte afirmação acerca dos vinhos do Algarve:

“...e agradando à prova, porque não deixaram a boca arrepiada, como os vinhos da Bairrada, não embotam os dentes, possuem a delicadeza e a suavidade que raras vezes encontramos nos vinhos novos de Portugal, não pecam pela abundância de taninos, dão-nos os aromas do figo e da amêndoa, amora e morango que aparecem sem cultivo no campo, são beneficiados pela brisa marítima, são mais vimosos que os vinhos do Douro e Alentejo, têm a elegância que não se encontra nos Chateaux de Bordéus.”

Vinhos do Algarve e... Vinhos do Porto:
Apesar dos elogios do Professor António de Aguiar, na realidade, os séculos XVIII e XIX foram tempos difíceis para os vinhos algarvios, devendo-se tal facto principalmente à crescente importância que os vinhos do Porto ganharam internacionalmente. Curiosamente, foram os vinhos do Porto que mantiveram as vinhas do Algarve vivas, pois devido à grande crise associada à filoxera (no século XIX), um insecto que flagelou praticamente todas as vinhas do Douro e não só, os produtores de vinho do Porto tiveram que recorrer a outras regiões, nomeadamente ao Algarve para poderem manter níveis de produção aceitáveis.



Vinhos do Algarve e... o ponto de viragem:
Mas é no final do século XX que estes néctares quase se extinguem com o crescente urbanismo que obrigou à devastação de largos hectares de vinha por todo o Algarve.
Felizmente esta situação altera-se particularmente no início do século XXI, com o aparecimento de alguns corajosos e persistentes produtores nas várias regiões DOC (Denominação de Origem Controlada) do Algarve. Foram estes que souberam tirar deste clima mediterrânico típico (com cerca de 3000 horas de luz solar) e dos terrenos maioritariamente arenosos, excelentes vinhos, geralmente macios, com uma acidez moderada, típica de regiões mais quentes e normalmente de longevidade mais curta, pelo menos por enquanto...

Vinhos do Algarve e... a expectativa:
Actualmente, o Algarve tem cerca de uma centena de vinhos, distribuídos pelas suas quatro regiões DOC, nomeadamente Lagos, Portimão, Lagoa e Tavira, sendo os mesmos produzidos por quase duas dezenas de produtores... Como enófilo que tem acompanhado alguns bem de perto, tenho a certeza que irão proporcionar muitas e agradáveis surpresas nos próximos anos a todos os apreciadores de vinhos nacionais e estrangeiros...
Pessoalmente acredito que esta será uma das regiões com maior crescimento em termos de qualidade nos próximos anos. Mantenham-se atentos e na expectativa!




Vinhos do Algarve e... a Confraria do Bacchus de Albufeira:
Não sou por certo o único a ter uma opinião tão favorável dos vinhos do Algarve e só assim faz sentido que um grupo de pessoas/amigos se juntem regularmente no Algarve (mais propriamente em Albufeira) com uma paixão em comum e muito respeito pelo néctar dos Deuses. Surge assim, a 12 de Abril de 2007, a Confraria do Bacchus de Albufeira.
Confrades e confreiras, entre outros objectivos, promovem o património báquico de Portugal e em particular do Algarve. Pretendem ser um grupo de degustação de vinhos de referência nacional cultivando o consumo moderado do vinho e mantendo, acima de tudo, os valores essenciais como a amizade, o respeito e a paz.
No cumprimento destes objectivos, procura-se estabelecer ligações com produtores, agentes económicos e outras associações ligadas ao vinho, desenvolvendo e promovendo os conhecimentos no que respeita ao Vinho, e levando a efeito palestras, cursos, seminários, congressos e outros eventos ligados à vinicultura a à enologia, reunindo apreciadores e amigos do vinho com a finalidade de estimular a cultura e o hábito da sua degustação.

Entre muitas outras iniciativas fica aqui o registo de algumas das mais regulares:
-Jantares mensais - onde temos a oportunidade de reunir confrades, amigos e produtores num ambiente informal onde o convívio, a partilha, a gastronomia e os vinhos são o ponto-chave;
-Mostra de vinhos anual – estaremos uma vez mais presentes na nossa III Grande Mostra de Vinhos de Portugal a realizar-se nos dias 30 de Abril de 2011 (Sábado), 1 de Maio (Domingo) e 2 de Maio (2ª feira) das 14:30h às 20:00h no espaço EMA (Espaço Multiusos de Albufeira).

Em nome da Confraria aqui fica o convite para nos visitarem e poderem desfrutar connosco do espírito da Confraria bem como de alguns belos vinhos do Algarve e de todo o País.


Saudações Bácchicas





Por Bernardo Nascimento, da Confraria do Bacchus de Albufeira

Sem comentários:

Enviar um comentário