quinta-feira, 5 de maio de 2011

Quinta do Francês

Patrick Agostini, produtor dos vinhos da Quinta do Francês, conta-nos porque escolheu o Algarve para desenvolver a sua actividade e dá-nos conhecimento dos primeiros passos da Rota dos Vinhos do Algarve.




Nascido em França e descendente de uma família italiana com tradições vinícolas, formei-me como médico de anatomia patológica em França.
Mais tarde, com 33 anos, decidi com a minha esposa portuguesa, estabelecer-me em Portugal e aqui constituir a minha família, tendo encontrado uma propriedade que também tornou possível o meu sonho e paixão de longa data de produzir vinhos.
Escolhi a zona de Odelouca no concelho de Silves, no Algarve, pelos seus solos xistosos, encostas viradas a Sul e condições edafoclimáticas ideais para produzir excelentes vinhos.

No início, a propriedade era apenas constituída por encostas com vegetação selvagem, mas após um ano e meio de preparação dos solos, drenagens e correcção de acidez a vinha foi implantada em 2002. A adega, moderna, foi construída de raiz na propriedade e totalmente concluída em 2008.

Eu sabia desde logo que o Algarve não estava no "mapa" dos "grandes vinhos", mas esse foi precisamente um dos meus grandes desafios: tornar esse posicionamento uma realidade.
Após cinco produções de vinhos das marcas Quinta do Francês Tinto e Encostas de Odelouca Tinto, Rosé e Branco, já com medalhas nacionais e internacionais, o esforço começa a dar resultados e prova disso são as diversas menções e artigos na impressa especializada nacional e internacional, que começa agora a "olhar" com atenção para os vinhos produzidos no Algarve.

O sector do vinho é cada vez mais concorrencial ao nível nacional e internacional. O Algarve foi e é ainda hoje um dos maiores pontos de escoamento de milhares de vinhos de todo o país de norte a sul, o que torna ainda mais difícil a concorrência para os vinhos do Algarve que são principalmente vinhos de personalidade produzidos muitas vezes em quantidade limitada.


A minha política de vendas assenta em três eixos:
- Distribuição regional e nacional pelo canal Horeca;
- Enoturismo com objectivos de 30 % da facturação total na Adega que já está aberta há um ano;
- Exportação com a abertura, este ano, para os mercados da China, Reino Unido e França.

A grande força económica do Algarve é o turismo, como todos sabem, por isso a implementação duma oferta de enoturismo nesta região tornou-se inevitável.
De acordo com a “Carta Europeia do Enoturismo”, entendem-se por enoturismo todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e tempos livres, relacionados com as culturas materiais e imateriais do vinho e da gastronomia autóctone dos seus territórios.

Algumas adegas já estão abertas ao público e têm uma oferta turística de qualidade que se enquadra nesta definição e que já representa um peso económico não negligenciável para elas.
Mas agora é preciso interligar e coordenar esta oferta para gerar uma dinâmica ao nível regional que, certamente a curto prazo, irá permitir retornos económicos para todos e fomentar a criação de emprego na região.

É neste âmbito que, recentemente, uma grande parte dos produtores criaram e registaram a Associação da Rota dos Vinhos do Algarve para estruturar e organizar esta oferta turística em conformidade com a “Carta Europeia do Enoturismo”, tendo eu assumido o cargo de director dessa Associação.
Esta Associação já iniciou a sua actividade com a colaboração do Turismo do Algarve na implementação dessa Rota. O plano de marketing está a ser elaborado e já neste verão oferecerá aos turistas e à população em geral um produto turístico de qualidade.


Até lá poderão visitar as Adegas já abertas ao público: informações no site http://www.vinhosdoalgarve.pt/


Quinta do Francês - Odelouca - Silves
Adega Quinta da Vinha –Sítio da Vala - Silves
Quinta do Morgado da Torre – Alvor – Portimão
Monte da Casteleja – Sargaçal – Lagos
Adega do Cantor – Guia – Albufeira
Quinta dos Vales – Estômbar – Lagoa
Adega Cooperativa Única – Lagoa

Boas provas!

Por Patrick Agostini

1 comentário:

  1. gudule trespied06/05/11, 21:48

    nevert thought that one day such a class wine could be produced in the Algarve.we most diffinitely go back to it.

    ResponderEliminar