segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O Algarve nos guias turísticos

Ainda na primeira metade do século XX, especialmente nas décadas de 30 e 40, vulgarizam-se os guias turísticos sobre o Algarve em português e também em língua inglesa. Trazemos às Memórias do Turismo do Algarve um desses guias da autoria de A. H. Stuart, com ilustrações de Maria Keil do Amaral e editado pelo SNI – Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo.
Nele se explicava como chegar ao Algarve, destacando a utilização do comboio Rápido que ligava Lisboa à região algarvia duas vezes por semana. Até à Praia da Rocha era contar com aproximadamente sete horas de viagem.


A toponímia dos lugares era assunto para todo um capítulo, abordando a origem árabe da mesma. De resto, a publicação descrevia os vários percursos para as excursões sugeridas aos turistas, assinalando como principais centros turísticos Monte Gordo, Albufeira e Praia da Rocha, mas também Faro, Lagos e Quarteira. E o que tinham eles para oferecer? O sol, a praia, as excursões e o “dolce farniente”, explicava o guia.

História curiosa, também incluída nesta publicação, é a que se refere à boa saúde de que gozava a população algarvia. Para exemplo, o autor escrevia sobre um idoso de Faro ainda ativo aos 114 anos que, segundo dizia, devia a sua longevidade ao muito leite de cabra que teria tomado em criança e às orações que a sua ama costumava rezar quando o alimentava.



1 comentário:

  1. Eu também sou algarvio natural de Boliqueime e desde 1964 estou na Holanda e hoje já com 87 anos digo que gostei de ler êstes pequenos trechos àcerca do Algarve.Fiquei espantado qaundo passados mais de 40 anos,fui a Quarteira
    e não reconheci aquela terra de pescadores,mas fiquei triste quando na minha terra natal vi os campos abandonados,onde nem as amêndoas são apanhadas.De Boliqueime também sou eu/mas não alinho com Cavaco/sou filho da Plebe,sou plebeu/
    sou um algarvio de pataco.A Pátria-Mãe p'ra mim madrasta/ empurrou-me p'rà emigração/e maldita
    seja a Governação/que Portugal p'rà miséria arrasta.

    ResponderEliminar