quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Silves … “das laranjeiras e tangerineiras”

Castelo de Silves, antes das obras de restauro realizadas nos anos 1940. Imagem retirada da revista "Costa de Oiro", janeiro 1937.


Em 1937, o número de janeiro da revista “Costa de Oiro”, uma publicação de propaganda regionalista como a mesma se intitulava, dedicava duas das suas páginas a Silves, num artigo assinado por Pedro M. Júdice, que pretendia facultar “resumidas indicações para uso dos turistas” sobre esta localidade “das laranjeiras e tangerineiras”.

O texto explicava como se podia ali chegar:

“Duas vias conduzem principalmente a Silves: o caminho-de-ferro e a via fluvial. Há também numerosas estradas alcatroadas; partem diariamente quinze camionetas de Silves para diferentes pontos da província, chegando outras tantas.”

Assinalava “a grande quantidade de forasteiros” que chegavam à estação de Silves no tempo da floração das amendoeiras, para gozarem “o inebriante espectáculo” que lembrava a neve e daí partirem à descoberta de outros locais turísticos do Algarve.

Descrevia também o percurso fluvial que considerava mais poético e citando o escritor Matos Sequeira referia que se navegava entre frutos: “As restingas arborizam-se. Pomares de laranjeiras e romeiras (…) descem até à corrente da água. A horta de Mata Moiros parece o jardim das Hespérides, com recantos misteriosos (…).”

Finalmente indicava os diversos pontos de interesse para visitar e para além dos monumentos (Sé, Castelo, Cruz de Portugal, igrejas…) chamava também a atenção para aspetos mais modernos como os Paços do Concelho que então se encontravam em construção e para a central elétrica “talvez a melhor instalação eléctrica da província”.


Silves. Imagem retirada da revista "Costa de Oiro", janeiro de 1937.


Sem comentários:

Enviar um comentário