quarta-feira, 14 de março de 2012

Núcleo Islâmico do Museu de Tavira

O Núcleo Islâmico do Museu Municipal de Tavira foi inaugurado em fevereiro na baixa da cidade, com a exposição «Tavira Islâmica», cuja peça central é o curioso e raro «Vaso de Tavira».


As sondagens arqueológicas nos anos 90, num edifício destinado à implantação de uma agência bancária, frente aos Paços do Concelho, colocaram a descoberto os vestígios de um bairro islâmico anterior à muralha da cidade de Tavira.



No rés do chão do edifício encontramos o Posto de Turismo, e nos pisos superiores do edifício o núcleo islâmico do Museu Municipal de Tavira, onde ficará exposta boa parte dos materiais turdetanos que foram encontrados no local e vestígios islâmicos recolhidos noutros pontos da cidade.



O Vaso de Tavira, datado do século XI (período das Taifas), será a joia da coroa do Núcleo Islâmico, através do qual será contada parte da história da cidade. Esta peça cerâmica, reconhecida como fundamental para a História pelo seu bom estado de conservação, ficará no primeiro piso do museu, bem perto do local onde foi originalmente encontrado, em 1996.



Manuel e Maria Maia, os arqueólogos que o encontraram, explicam que o vaso islâmico de Tavira deverá ter sido uma peça que foi jogada para o lixo, já que, à data, no século XI, teria perdido todo o valor para os seus proprietários.
Junto ao vaso encontraram ainda um prato decorado em corda seca integral, além de um outro prato onde constava a fórmula islâmica «não há Deus, senão Deus / Não há Alá, senão Alá». Estes dados que permitiram a datação do Vaso de Tavira, que se revelou desde logo um verdadeiro quebra-cabeças para os arqueólogos, por não haver paralelos para uma peça assim.

O Núcleo Islâmico apostará ainda na interpretação da muralha da cidade, que estará a descoberto.

Curiosidade:
O que é o Vaso de Tavira? Há diferentes opiniões quanto à funcionalidade e datação do Vaso de Tavira, embora os arqueólogos que o descobriram e investigaram – Maria Maia, Manuel Maia e Cláudio Torres – considerem que se trata da representação simbólica de um rapto nupcial, servindo a peça de dote para o casamento. Estima-se que o vaso corresponda a uma produção dos finais do século XI ou inícios do século XII.

Sem comentários:

Enviar um comentário